APRENDA A ESTUDAR PARA CONCURSO PÚBLICO

Produzimos o melhor conteúdo para concurseiros. Aqui tem tudo que você precisa para ser aprovado.

As 16 Melhores Técnicas de Estudos | Psychological Science

Um dos itens que não podem faltar quando um bom estudante vai às compras na papelaria é a tão famosa caneta marca texto amarela. Grifar as partes consideradas mais importantes é uma prática muito comum. Sendo considerada uma das melhores técnicas de estudos por muitos.

Além disso, muitos quebram a cabeça tentando gravar mnemônicos complicadíssimos ou perdem muito tempo ao “resumir” a matéria (quem não fez, pelo menos alguma vez, um resumo tão “gigantesco” que depois não teve coragem de ler depois, que “atire a primeira pedra”).

Estudar para concurso pode se tornar algo extremamente difícil e complicado se você não fizer da maneira correta. Sim, existem caminhos e boas práticas que podem te ajudar a encurtar o tempo que você leva até chegar na tão sonhada aprovação.

Concurso público é uma verdadeira peneira onde nem sempre o que passa é o candidato que estudou mais. Você pode até estudar MUITO, mas se estiver fazendo isso de forma errada, vai perder a sua vaga para um candidato que talvez não tenha estudado tanto quanto você, mas se preparou usando a estratégia certa.

A revista científica americana Psychological Science publicou um estudo em que avaliou as 10 melhores técnicas de estudos emais utilizadas pelos estudantes e classificou-as pelo grau de utilidade: baixa, moderada e de alto grau de utilidade.

Separamos as 16 melhores técnicas de estudos para você escolher o melhor caminho para sua aprovação.

Independentemente do tipo de concurso ou o cargo que você quer, existe um caminho que você pode trilhar para chegar lá mais rápido.

10 Melhores Técnicas de Estudos da Psychological Science

Primeiro vamos falar sobre as 10 melhores técnicas de estudos testadas (provavelmente você esteja utilizando algumas delas) e abaixo falaremos sobre outras as outras 6 melhores técnicas de estudos:

Técnicas de utilidade baixa:

1. Grifar


Cuidado com o marca texto

Se você for como a maioria e sempre usar a canetinha amarela para grifar as partes mais importantes do texto, vai se surpreender com o resultado da pesquisa que considerou essa pratica de utilidade baixa.

O estudo aponta que ao fazer um grifo, seu cérebro não está organizando, criando ou conectando conhecimento, portanto, por mais que você sublinhe, não está aprendendo.

Conclusão: Grifar só terá alguma utilidade (pouca) se combinada com outras técnicas.

2. Releitura


como estudar sozinho para concurso

Reler um conteúdo também foi considerado com utilidade baixa. Além de lhe “roubar” um tempo precioso, é menos efetivo que outras práticas. Entretanto, o estudo mostrou que determinados tipos de leitura (massive rereading) podem ser melhores do que resumos ou grifos, se aplicados no mesmo período de tempo.

Conclusão: A releitura pode ter alguma utilidade se feita imediatamente depois de ler e por diversas vezes.

3. Mnemônicos


como escolher um cargo público

Os Mnemônicos são muito utilizados para decorar princípios e fundamentos das Leis (quem aí não conhece os famosos “limpe” e “so-ci-di-va-plu” utilizado para memorizar os princípios da administração pública e os fundamentos da República Federativa do Brasil?).

O estudo classificou o uso de mnemônicos como de utilidade baixa, pois provou que os mnemônicos só são efetivos quando o material estudado inclui palavras-chaves fáceis de memorizar e quando as palavras-chaves são importantes.

Conclusão: nem todo conteúdo pode se tornar um mnemônico, assuntos que não se adaptam bem à geração de palavras-chaves não possibilitam ser bem aprendidos esta técnica. Então, utilize-os em casos específicos e pouco tempo antes da prova.

4. Visualização


Outra técnica considerada como de utilidade baixa. Os pesquisadores pediram aos estudantes que imaginassem figuras enquanto liam textos. A técnica se mostrou efetiva só em relação à memorização de frases.

Já em relação a textos mais longos, o resultado não foi o mesmo. A transformação das imagens em desenhos também não demostrou aumentar a aprendizagem e ainda trouxe o inconveniente de limitar os benefícios da imaginação.

Embora não tenha obtido resultado satisfatório, isso não invalida completamente o uso de mapas mentais para estudos, já que esses, além de desenhos, consistem na conexão de ideias e conceitos.

Conclusão: A técnica de visualização não é uma técnica efetiva para provas que exijam conhecimentos inferidos de textos.

5. Resumos


Fazer resumos também se mostrou uma técnica de utilidade baixa. Mesmo assim foi considerado mais útil do que grifar e reler textos. O estudo mostrou que os resumos são úteis para provas escritas, mas não para provas objetivas.

Conclusão: fazer resumo vale apena se você já desenvolveu essa habilidade e se for usar para estudar para uma prova escrita.

Até aqui você conheceu as 5 técnicas que foram declaradas como tendo utilidade baixa.

Técnicas de estudos de utilidade moderada

6. Interrogação elaborativa


Entre as melhores técnicas de estudos, a de interrogação elaborativa foi considerada de utilidade moderada. O estudo constatou que, se o estudante se concentrar em criar explicações que justifiquem por que determinados fatos apresentados no texto são verdadeiros, será mais fácil aprender.

Note que esse tipo de estudo requer um esforço maior do cérebro, pois se concentra em compreender as causas de determinado fato, investigando suas origens.

Conclusão: essa técnica pode ser um grande diferencial na hora de uma prova de redação e com questões discursivas.

7. Auto-explicação


A auto-explicação também se mostrou ser uma técnica de utilidade moderada.

Na prática, trata-se de ler o conteúdo e explicá-lo com suas próprias palavras para você mesmo. Como resultado, o estudo mostrou que a técnica é mais efetiva se utilizada durante o aprendizado, e não após o estudo.

Conclusão: tirar um tempo para se auto-explicar pode ser muito útil para aprendizagem de conteúdos mais abstratos.

8. Estudo intercalado


O que faz com que o estudante aprenda mais: estudar tópicos de uma só vez ou intercalar diferentes tipos de conteúdos de uma maneira mais aleatória?

Os cientistas concluíram que a intercalação tem utilidade maior em aprendizados envolvendo movimentos físicos e tarefas cognitivas (como ciências exatas). Devido a esse motivo a técnica foi considerada como tendo utilidade moderada.

Conclusão: intercalar disciplinas faz com que a pessoa consiga manter-se mais tempo estudando.

Finalmente, chegamos às duas técnicas que obtiveram o melhor resultado.

As melhores técnicas de estudos

9. Teste Prático


como se preparar para a prova do tst

Você costuma fazer questões? Espero que sim, pois realizar testes práticos sobre o que você está estudando é uma das duas melhores maneiras de aprendizagem.

A pesquisa científica mostrou que realizar testes práticos é até duas vezes mais eficiente do que outras técnicas e considerou a realização de exercícios como de utilidade alta.

Fazer exercícios de concursos anteriores vai ajudar você a fixar melhor o conteúdo e se acostumar com a banca. Existem vários sites específicos com questões de concurso como, por exemplo: Tec Concursos, Questões de Concursos e etc.

Neste artigo detalho as 5 dicas de como estudar sozinho para concurso.

Conclusão: vale muito a pena você investir tempo na resolução de questões.

10. Prática distribuída


A técnica de distribuir o estudo ao longo do tempo, em vez de concentrar toda a aprendizagem em um bloco só, também foi considerada como tendo utilidade alta.

Pesquisas mostram que o tempo ótimo de distribuição das sessões de estudo é de 10% a 20% do período que o conteúdo precisa ser lembrado. consequentemente, se você quer lembrar algo por cinco anos, você deve espaçar seu aprendizado a cada seis meses.

A prática distribuída também pode ser interpretada como a distribuição do estudo em pequenos períodos ao longo do dia, intervalando com períodos de descanso.

Por exemplo: ao estudar uma hora pela manhã, uma hora à tarde e outra hora à noite, você obtém melhores resultados do que estudar três horas consecutivas. Isso ocorre porque o intervalo entre um estudo e outro é necessário para que nosso cérebro fixe o conteúdo estudado.

Conclusão: Se você quer lembrar por um mês, deve estudar o assunto pelo menos uma vez a cada três a seis dias, e assim por diante.

Conheça 6 Técnicas avulsas

Essas técnicas não foram listadas na revista, mas são tão eficientes quanto as demais citadas acima.

1. Trace uma Meta e não se Desvie Dela

Essa talvez seja o ponto crucial de toda sua preparação. Você quer fazer qualquer curso e passar ou você tem um concurso de sua preferência? Muitos candidatos estudam especificamente para um edital ou área de atuação.

Quando você “atira” em todas as direções, isso mostra que seu foco não está ajustado, e como consequência sua preparação pode ser prejudicada ou ineficiente.

O melhor caminho para a sua aprovação é focar única e exclusivamente em um concurso, você vai se “especializar” nas características da banca, no estilo de prova, nas questões que mais caem, etc. mas fará isso pensando e focando sua energia para uma única coisa.

Isso significa que você até pode fazer outras provas e concursos, mas desde que esse tenha semelhança com o cargo e concurso que você está querendo. Assim você não terá que dispersar sua energia estudando muitas coisas diferentes das que você já vem estudando.

2. Faça um bom planejamento

O planejamento é o ponto de partida antes mesmo de você começar a estudar para algum concurso. Nesse planejamento você vai precisar considerar alguns pontos como:

  • #1 – Tempo Disponível para Estudar
  • #2 – Criação de um cronograma de estudos
  • #3 – Estratégia de Estudos (considerando tempo para revisões de assuntos já estudados)
  • #4 – Simular o dia da prova (sim, pegue provas anteriores, reserve 4 horas e resolva todas as questões)

Se você levar em consideração um bom planejamento antes mesmo de começar a estudar, suas chances de aprovação vão aumentar significativamente.

3. Use a Tecnologia a Seu Favor

Hoje você tem disponível diversas mídias e recursos tecnológicos que você pode usar a seu favor durante sua preparação.

Diversos sites e cursinhos disponibilizam aulas em áudio, você pode estruturar diversas aulas assim e ouvir durante seu caminho para o trabalho. Assim o tempo que você perde no trânsito será melhor aproveitado.

Aulas em vídeo é outro recurso que você também poderá fazer uso, através de seu celular ou de um notebook, assista aulas pela internet sobre as matérias que você precisa. Hoje é muito comum as famosas “lives” com uma aula específica dentro do Facebook.

Faça uso desses recursos para melhorar sua preparação. Busque nas mídias digitais canais, áudios e todos os recursos que puder dos principais cursinhos do Brasil e use tudo aquilo que puder te ajudar nessa jornada.

4. Resolva Provas Anteriores

Essa talvez seja o conselho mais conhecido e muitas das vezes mais negligenciado pelos concurseiros. Resolver provas de concursos anteriores é o que vai te deixar mais próximo da sua aprovação.

Ao resolver provas de concursos anteriores você vai estar conhecendo o estilo de prova da banca do seu concurso, estará conhecendo os tipos de pegadinhas e vai identificar as matérias ou pontos dos conteúdos que a banca mais dá importância e cobra.

Fique atento a possíveis mudanças da banca ou no edital pois de um ano para o outro poderá haver mudanças nos conteúdos cobrados.

5. Se cerque de pessoas que tem os mesmos objetivos que você

Esse quinto ponto é importante para você se manter focado e motivado. Quando estamos em um projeto com metas bem definidas é muito mais reconfortante saber que tem pessoas que pensam e estão com as mesmas metas que nós.

Além do aspecto motivacional você poderá incluir no seu planejamento uma sessão de estudos em grupo. Forme um grupo de estudos pequeno, mas com pessoas interessadas em trocar dicas e informações.

Combine uma sessão de exercícios focado em um tema e tente explorar o assunto o máximo que puder. Esse tipo de dinâmica ajuda muito no processo de aprendizado e preparação.

6. Saiba Escolher seus Materiais de Estudo

Saber escolher bem as suas armas podem determinar o resultado da batalha que você está travando. Anteriormente falamos da necessidade de se fazer um bom planejamento para seus estudos levando-se em consideração a sua realidade agora, no caso se você somente vai estudar ou se vai dividir seu tempo entre estudos e trabalho.

Se a sua situação será de dividir seu tempo entre estudos e trabalho então o melhor a considerar são apostilas, áudios e vídeo aulas que foquem exclusivamente nas suas necessidades de forma mais objetiva.

Tenha cuidado ao escolher e comprar diversos livros de concursos pois normalmente você não vai conseguir estudar todo o livro.

Compre materiais de escolas já conhecidas ou de sites que você já conhece a qualidade dos conteúdos distribuídos.

Busque informações sobre cursos e a qualidade dos materiais em fóruns e grupos de Facebook, existem muitos grupos focados em concursos específicos e fazer parte de um deles poderá te ajudar bastante.

Conclusão:

Como você pode perceber, as melhores técnicas de estudos e consideradas mais eficientes são aquelas que requerem mais esforço do seu cérebro. Assim, quanto mais ativo você estiver mais você irá aprender.

Passar em concurso público é um desafio de médio a longo prazo e você precisa estar inteiramente comprometido com esse propósito para obter êxito.

Foque nas dicas que deixamos ao longo desses artigos, busque se aperfeiçoar constantemente através de grupos de estudos, aulas online ou fazendo cursinhos. Lembre-se não importa a quantidade de horas que você passa estudando, mas sim a qualidade do seu estudo.

Combine as melhores técnicas de estudos que você já usa com as que tivera melhor resultado e melhore sua maneira de estudar e aprender.

Fonte: http://journals.sagepub.com/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Rolar para o topo