APRENDA A ESTUDAR PARA CONCURSO PÚBLICO

Produzimos o melhor conteúdo para concurseiros. Aqui tem tudo que você precisa para ser aprovado.

8 Dicas de como melhorar a memória para estudar

Assim como qualquer músculo do corpo humano, nosso cérebro também precisa ser estimulado para se “manter em forma”. Assim, uma forma de melhorar a memória para estudar é fazendo exercícios.

Um exemplo de como exercícios podem aprimorar a memória é o caso de alguém que está aprendendo a tocar violão.

Sabe-se que cada casa e corda do braço do violão é uma das 7 notas musicais e o músico tem por necessidade saber onde fica cada uma dessas notas. Um exercício de memorização para ele é praticando.

como aprimorar a memória

Neste exemplo acima é utilizado a memória de procedimentos – criada por hábitos. Veremos mais abaixo quais são os dois tipos de memória e como utilizá-las para estudar.

  • praticar função cerebral – executar maior efetividade
  • ginástica cerebral
  • capacidade de memorizar

O que é a Memória

De acordo com neurologistas, o processo de memorização é a base para o aprendizado humano. Se não fossemos capazes de memorizar, cada experiência seria inédita, nos incapacitando de fixar o que foi aprendido.

Para ficar mais fácil de entender como seria se não tivéssemos a capacidade de memorizar, imagine um copo furado. Você jamais conseguiria encher este copo com água. Nesta hipótese, o aprendizado seria como a água e o copo como seu cérebro.

Então podemos dizer que a memória é o armazenamento das experiências.

Este armazenamento está dividido em três tipo de memória:

  • de procedimento
  • declarativa

Se você não consegue melhorar a memória para estudar, pode ser que esteja cometendo erro em algum destes dois tipos.

Pensando nisso, antes de mostrar quais são estes exercícios para estimular a memória você precisa entender sobre os três tipos de armazenamento.

Três tipos de memória

Vou tentar explicar de forma simples e didática esses tipos de memória para facilitar o entendimento.

Memória de procedimentos

Está relacionada ao que você faz no dia a dia. A primeira forma de aquisição desta memória é por meio da observação, passando a fase de experimento e finalmente para a fase autônoma.

Memória de procedimentos

Um exemplo bastante comum é escrever ou andar de bicicleta.

Primeiro você observa o outra pessoa andando para entender como funciona, logo após passa para a experimentação, onde você precisa subir na bicicleta e colocar em prática o que foi observado.

Por último, você consegue andar de bicicleta sem prestar atenção no que está fazendo, é algo natural.

Outros exemplos comuns da memória de procedimento ou não declarativa são: amarrar os sapatos, escrever, escovar os dentes, dirigir, caminhar.

Memória Declarativa

Até poucos anos atrás, médicos e cientistas acreditavam que está era a única memória que o homem tinha. 

Entretanto, lá pela década de 50 foi descoberto que a memória declarativa está ligada ao armazenamento de informações recebidas, sejam elas visuais, táteis, olfativas, sonoras etc. 

Memória Declarativa

Exemplo de memória declarativa e não declarativa

Se o ato de amarrar o sapato está ligado à memória procedural, lembrar-se como amarrar os sapatos está ligado à memória declarativa.

Analisando essas duas formas de armazenamento podemos chegar a conclusão de que para melhorar a memória para estudar, precisamos exercitar a memória não declarativa.

8 dicas de como melhorar a memória para estudar

Apesar de muitos estudantes se sentirem tristes por terem a “memória fraca”, imagine o desespero que seria conseguir se lembrar de tudo que acontece ao seu redor durante toda a vida.

Nosso cérebro é bastante seletivo em relação ao que aguça nossos sentidos exatamente para não embaralhar tanta informação que recebemos. Isso nos deixaria loucos.

Sabendo que nosso cérebro é seletivo, precisamos mostrar para ele o que deve – neste caso, o que estudamos – e o que não deve ser selecionado para armazenar. 

É exatamente nisso que vamos trabalhar agora. Vale lembrar que estes exercícios servem tanto para quem quer estudar quanto para fazer outras coisas. Então vou adaptar as dicas ao máximo para os estudos. 

Esteja sempre mudando hábitos

Fazer algo no piloto automático não ajuda a estimular a memória, pois mostra desinteresse.

Portanto, na hora de fazer seu ciclo de estudos diversifique: reserve algumas horas para leitura, outras para aulas em vídeo, faça revisões e resoluções de questões.

Ainda em relação aos hábitos, você também pode mudar seu ambiente de estudos. Ter um ambiente adequado, como um quarto ou biblioteca, pode ajudar na capacidade de absorver e reter informações.

Mnemônicos

O mnemônicos ou acrônimos, como você preferir, são ótimos para melhorar a memória para estudar. 

Estas siglas servem para gravar assuntos em que não se exige entendimento. 

Pode ser usado como no caso dos famosos princípios do Direito Administrativo LIMPE:

memória mnemônico

Resumos

Para nós, estudantes, esta é uma excelente forma de melhorar a memória para estudar.

Quando você faz o resumo está praticando a memória de procedimento, quando lê está praticando sua memória declarativa. 

Ler o resumo não é nada mais do que rever a matéria estudada, e é exatamente isso que nosso cérebro precisa: reforço de uma informação que já foi passada

Do contrário em menos de uma semana já teremos esquecido pelo menos 75% do que estudamos. 

Por isso, a revisão deve ser feita cerca de 4 dias após o estudo. Isso você pode conferir na CURVA DO ESQUECIMENTO.

Lista Mental

Após estudar, faça uma lista (sem conferir o material) de tudo que você se lembra de ter estudado.

Seu cérebro automaticamente entenderá que se você está se esforçando para se lembrar do que viu é porque deve ser importante. 

Com o tempo você vai perceber que estará melhor para memorizar o que foi estudado.

Aguce os sentidos

Sabe aquele cheiro que te lembra algo ou uma música que retrata algo que você já viveu? Pois é, nossos sentidos estão completamente emaranhados com a nossa memória de longa duração.

Portanto, quando for estudar, acenda uma vela de cheiro ou coloque uma música agradável. Isso vai ajudar bastante a melhorar a memória para estudar.

Memorização por associação

Neste caso, é necessário um pouco de criatividade, mas é a técnica que eu mais gosto para ativar novas memórias.

O seu objetivo é linkar o que está estudando com alguma coisa parecida. 

No começo, pode parecer coisa de idiota, mas eu vou te contar algo: essa técnica “idiota” pode te elevar seu nível de memorização ao mais alto nível.

O programa Leitura Neuro Associativa talvez seja a melhor técnica de como melhorar a memória para estudar e é o que posso indicar de melhor para que você. 

O método de leitura neuro associativa é um conjunto de estratégias que englobam:

  • interpretação
  • compreensão
  • memorização
  • velocidade

Anote tudo 

Para você entender a importância de escrever para melhorar a memória, nós vamos fazer uma pequena brincadeira, mas que você deve levar a sério.

Técnica de memorização para utilizar antes de dormir

Neste primeiro passo, eu aposto que você não se lembra o que sonhou hoje. Se você estiver se esforçando muito pode ser que você se lembre de algo. 

Pois bem, agora você fará o seguinte. Amanhã cedo, ao acordar, anote exatamente com o que você sonhou.

Ao final do dia, tente se lembrar do sonho. Provavelmente ele não estará fresco na sua memória, mas você lembrará de vários detalhes – diferente de hoje.

Então, amanhã, eu quero que você volte neste artigo ( salve essa página nos favoritos ou sei lá), mas volte neste artigo e comente logo abaixo como foi essa experiência. 

Este é um bom exemplo de como sua memória não declarativa, ajudará diretamente na memória declarativa.

Alimentos

Muito se discute no meio acadêmico sobre a importância dos alimentos na memorização.

Mas um fato é que alguns alimentos ricos em antioxidantes e ácidos graxos ômega-3 são capazes de aumentar a capacidade de memorização, de proteger os neurônios e fortalecer o sistema nervoso. 

Veja alguns desses alimentos:

  • Amêndoas;
  • Sementes Pretas (Nigella Sativa);
  • Groselha indiana;
  • Brahmi;
  • Alecrim; e
  • Peixes em geral.

Mas um assunto bem sério que vem sendo discutido é a utilização de remédios como forma de memorização.

Eu escrevi um artigo muito importante explicando por que os estudantes não devem fazer uso de medicamentos como ritalina.

As cores da memória

Uma dica que pode parecer “meio hippie” é em relação as cores do seu marca texto ou das paredes do seu quarto, por exemplo. 

Você sabia que algumas cores facilitam o processo de memorização?

A cor amarela é a cor mais ligada ao processo de memorização, ela estimula os sistemas nervoso central e autônomo, favorecendo o raciocínio e a memória. 

Duvida? Você já se perguntou por que o seu marca-texto ou aqueles post it (papéis de anotações) são coloridos? 

Pois é, talvez você não tenha prestado atenção, mas eles servem exatamente para isso: facilitar sua memorização relacionando a cor utilizada ao que está escrito.

Conclusão

É muito comum vermos pessoas que se adaptam melhor a cada um dos tipos de memória, visual, auditiva etc.

Alguns memorizam mais por meio da memória motora outros visual, mas o importante é você prestar atenção em qual você se adapta melhor.

2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Rolar para o topo