Ex-menor infrator da Fundação Casa ganha prêmio científico

Um ex-interno da Fundação Casa de Araçatuba (SP) mostrou que a educação pode realmente dar um novo destino para uma pessoa em situação de risco por causa da criminalidade. O agora aluno Jonathan Felipe da Silva Santos, de 18 anos, foi escolhido como a revelação da Feira de Ciências da Secretaria de Educação de São Paulo com um projeto de corrigir a acidez do solo com resíduos de giz escolar.Ex-interno-da-Fundação-CasaA competição foi aberta a alunos dos ensinos fundamental e médio de todo o estado, participando mais de 200 escolas. O trabalho foi um dos seis finalistas da edição 2016.

“Foram sete meses de projeto, conversando com o orientador e também com a professora. A ideia surgiu nas aulas de química e a professora citou a acidez do solo que prejudica a agricultura como a laranja, que quando nasce em solo ácido não desenvolve bem. Então criamos este composto para neutralizar a acidez usando o giz escolar”, afirma Jonathan.

O mais interessante é que o projeto foi praticamente todo desenvolvido nas aulas, dentro da Fundação Casa. Jonathan afirma que ficou internado na fundação por sete meses e foi liberado há três. Foi durante este tempo que ele elaborou o projeto com a ajuda dos orientadores. “Trabalhamos com o material que era possível, tive apoio dentro da área de pedagogia da fundação, mas as aulas eram dentro da fundação mesmo”, diz.

Detenção
Jonathan explica que foi apreendido durante uma abordagem da polícia na casa dele. Segundo o próprio aluno, ele tinha comprado uma moto e não sabia que ela era furtada. Quando descobriu, resolveu desmontá-la para repassar as peças.

Foi quando ele estava em casa com amigos fazendo o desmanche da moto que a polícia apareceu no local. Com um dos amigos de Jonathan foi encontrado drogas também. “É uma vida muito ruim que não quero mais para mim. O importante foi que cumpri o que devia e agora quero seguir a minha vida”, afirma.

Além de garantir um prêmio dentre os melhores do Estado, a dedicação ao estudo também abriu um caminho promissor ao jovem. Fora da Fundação Casa, a ideia de Jonathan é terminar os estudos e cursar medicina veterinária.

Atualmente Jonathan é aluno do segundo ano do ensino médio de uma escola estadual de Araçatuba. “Continuo motivado para seguir estudando e vou buscar um emprego para ajudar minha mãe. Mas meu sonho é ser veterinário. Um pedaço de giz mudou a minha vida e quero me dedicar para buscar meu objetivo agora”, afirma.Ex-interno-da-Fundação-Casa

Vencedores
A região noroeste paulista teve outro prêmio. Se Jonathan levou na categoria revelação, o prêmio de primeiro lugar foi entregue a Leandro Leomar Borges Rastelli, da Escola Estadual Afonso Cáfaro, em Fernandópolis (SP).

O projeto intitulado “Comigo-ninguém-pode, muito menos o Aedes” tem como resultado final a formulação de um inseticida criado a partir da planta para o combate ao mosquito Aedes aegypti. “Busquei atender com este projeto a três bases da sustentabilidade: ele é economicamente viável, ecologicamente correto e socialmente justo. Agora, estou empenhado em dar continuidade às pesquisas para que ele seja produzido da forma mais barata possível”, afirma o estudante.

DO G1

Gostou do texto? Avalie
  • Educar é Acreditar… Não: Ter Convicção! Parabéns também aos Socioeducandos!