APRENDA A ESTUDAR PARA CONCURSO PÚBLICO

Produzimos o melhor conteúdo para concurseiros. Aqui tem tudo que você precisa para ser aprovado.

10 dicas de como fazer redação para concurso público de forma simples

Afinal, como ir bem na redação? Hoje em dia é muito difícil você prestar um concurso público que não tenha redação, não é mesmo?! Essa parte da prova é o terror de muita gente. Quer dizer, na verdade, era o terror. Pois a partir de agora você vai aprender como fazer redação para concurso público de forma simples, prática e objetiva.

Praticidade e objetividade vão ser os focos de como fazer redação para concurso público de forma simples. Além disso, é essencial que já tenha domínio de regras da gramática como por exemplo concordância verbal e nominal, regência, crase e pontuação, emprego de conjunções. Logo, neste artigo você não vai aprender regras gramaticais, mas sim, como desenvolver a sua redação.

Antes de qualquer coisa, eu acredito que existam alguns pontos importantes para se fazer uma redação.

1. Você deve conhecer o tema

Não tem jeito, se sua redação vai ser sobre algum tema de atualidades, você terá que colocar atualidades no seu cronograma de estudos. Por outro lado, se a redação for sobre alguma disciplina que esteja na prova objetiva, você já vai estudar para a redação “por tabela”. Então já saiba, de nada vai adiantar ir bem na prova objetiva se não souber como ir bem na redação. Vá por mim, é frustrante. Por isso, conhecer ao menos o básico sobre o tema já é algo que pode te salvar na hora da prova.

2. E se eu não souber o tema da redação

Chegar na hora da prova e ver que a prova objetiva está fácil e que você consegue resolvê-la de uma forma fácil é muito bom. O problema é quando você abre a prova discursiva e percebe que tem pouco ou nenhum conhecimento sobre o tema. Na hora, é como se o chão desabasse, pois você sabe que foi bem na objetiva e sua aprovação só vai depender da redação.

Isso é muito comum de acontecer, chegar lá na hora e não ter nem ideia de como ir bem na redação. Apesar de gostar de escrever e de estar sempre por dentro de vários temas, eu já passei por isso e sei como é ruim.

Lembrando que foi exatamente por causa disso que comecei a procurar recursos para conseguir fazer uma redação sem ter vasto conhecimento do tema proposto. De tanto procurar eu achei o curso de Redação do Professor Erivaldo Lima.

Erivaldo, além de professor, é um jovem protagonista com experiência no ensino de redação para vestibulares e concursos. Em 2014, fundou o Projeto RED em AÇÃO – voluntariado que oferece dicas e conteúdos diversos para estudantes/concurseiros de todo o Brasil. O Blog do seu Projeto já recebeu mais de 155 mil visitas e chamou a atenção da mídia, sendo noticiado várias vezes.

3. Regras gramaticais

Pois é, como já foi dito anteriormente, você deve estar afiado na Língua Portuguesa. Acredito, que dependendo da prova, erros gramaticais não serão suficientes para zerar sua prova, mas poderá jogar sua nota lá para baixo. E isso é ruim, muito ruim. Afinal de contas, cada ponto vale ouro.

4. Como ir bem na redação

Já vá para a prova sabendo que você deverá defender um ponto de vista. Nada de ficar em cima do muro. Siga aprendendo como fazer redação para concurso público de forma simples.

suando para escrever uma redação

5. Jogo é jogo, treino é treino

Sabe aquela frase: Quem lê muito aprende a escrever. Pois bem, esqueça isso. Para quem não sabe, eu também sou formado em jornalismo, e durante as aulas de dissertação uma professora soltou uma frase que mudou minha vida: “Quem lê muito, aprende a ler. Quem escreve muito, aprende a escrever.”

Pois é, essa frase faz muito mais sentido, né?! Afinal, para fazer concurso público nos dias de hoje você deve saber ler e saber escrever muito bem. Logo, você deve ler bastante para saber o que escrever na sua redação. Porém, você também deve escrever tanto quanto lê.

6. Como fazer redação para concurso público de forma simples

Agora que você já sabe algumas dicas sobre como ir bem na redação, vamos a parte importante: como fazer redação para concurso público de forma simples. Bom, só para deixar claro, nós vamos falar do texto dissertativo-argumentativo, que é aquele que mais cai.

6.1. Estrutura

Toda redação deve se compor de uma estrutura pré elaborada por: introdução, desenvolvimento e conclusão. Para facilitar o entendimento e melhorar a didática, eu vou usar como exemplo a minha redação do concurso de Agente da Polícia Federal.

6.2. Introdução

Fazendo uma analogia, podemos dizer que a introdução da sua redação é a porta de entrada para a sua casa: “se estiver bonita, mesmo com pequenos problemas dentro de sua casa, eles passarão despercebidos. Mas se a porta estiver caindo aos pedaços ele nem mesmo entrará.”

Quando sua introdução está impecável, eles já imaginam que qualquer errinho foi mera falta de atenção e não descontam muitos pontos. Mas se o seu texto já começa cheio de falhas, eles farão uma leitura minuciosa e descontarão qualquer ponto que seja. Esses são pequenos detalhes de como fazer redação para concurso público de forma simples.

Agora, em relação à introdução em si, essa é a parte mais difícil para a maioria das pessoas. Mas fique tranquilo, não existe segredo. Na própria redação vem um texto que é chamado de “texto motivador” e logo depois ele dará cerca de 3 temas para que você discorra durante a redação.

Por exemplo – esse foi o tema do concurso de Agente da Polícia Federal em 2014:

A CIVILIZAÇÃO CONTEMPORÂNEA E O TERRORISMO

Ao elaborar seu texto, aborde, necessariamente, os seguintes aspectos:

  • O 11 de Setembro de 2001 e a nova escalada terrorista;
  • O Estado Islâmico: intolerância e agressividade;
  • A reação mundial ao terrorismo.

A minha introdução ficou assim:

“No início deste século, o mundo viu um dos maiores ataques terroristas a mando de Osama Bin Laden, até então chefe do grupo terrorista Al Qaeda. De imediato, as tropas americanas invadiram o Iraque. Entretanto, cerca de seis anos após a retirada de parte da tropa americana do Oriente, o Estado Islâmico cresce e ganha mais adeptos a sua ideologia de intolerância a judeus, católicos e ao mundo capitalista Ocidental.”

Viram que minha introdução relata os três aspectos cobrados pelo examinador. Agora vamos ao desenvolvimento.

6.3. Desenvolvimento

O desenvolvimento você terá que separá-lo em três parágrafos, como de costume. E em cada um dos parágrafos você discorrerá sobre cada um dos três temas colocados na introdução. Eu aconselho que você sempre utilize entre 5 e 7 linhas para cada parágrafo. Mas isso não é uma regra, você pode variar se estiver confiante de que saiba o que fazer, como foi meu caso. O meu desenvolvimento ficou assim:

1º parágrafo – “O dia 11 de setembro de 2001 ficou conhecido como o dia em que Bin Laden mandou sequestrar e derrubar aviões no World Trade Center e no Pentágono, ambos nos Estados unidos da América. As tropas comandadas pelo então presidente americano George W. Busch invadiram o Iraque com  a missão de matar Bin Laden. Com a missão concluída, as tropas saíram do Oriente. Em consequência disto, surge uma nova onda de ataques terroristas em todo o mundo.”

2º parágrafo – “Entre um dos objetivos desses grupos terroristas está a retomada da Terra Santa pelo muçulmanos como prometido pelo profeta Maomé. O grupo é intolerante e agressivo contra quem se opõe a sua ideologia. Alguns capturados pelo Estado Islâmico são torturados, decapitados e mutilados. Os casos mais conhecidos são contra jornalistas americanos, católicos e judeus.”

Nesta redação, em especial, eu fiz apenas dois parágrafos e aumentei o número de linhas em cada um deles de forma a unificar os três temas pedidos, afinal de contas eles estão muito relacionados em si.

6.4. Conclusão

Mostre que você tem conhecimento e uma opinião formada sobre o tema, mas sempre se embasando em algo concreto como a nossa Constituição, por exemplo. Veja como ficou minha conclusão:

“Por conta de atos como esses descritos, a maioria dos países ocidentais repudiam ao terrorismo, como é o caso do Brasil. A própria constituição brasileira, nos direitos e garantias fundamentais, faz menção ao repudio ao terrorismo. Além disso é uma cláusula Pétrea – ou seja, não pode ser abolida do ordenamento jurídico.”

Essas foram algumas dicas como fazer redação para concurso público de forma simples. Se você tiver alguma dúvida, posta aí nos comentários.

7. Redação ainda é o “calo” dos concurseiros

A dificuldade em aprender como fazer redação para concurso público de forma simples pode estar associada a falta de treino e, principalmente, pelo fato do candidato não ter trabalhado possíveis problemas com a escrita durante o colégio.

dificuldade em redação

Um outro fator prejudicial ao concurseiro é a não compreensão do que a organizadora do concurso está exigindo.

“Muitos candidatos têm se prejudicado no desempenho das provas discursivas pela falta de familiaridade com o ato de escrever nos moldes dos concursos. Na maioria dos casos, a última vez em que o candidato produziu uma redação foi nos exames vestibulares e, ao prestar um concurso em nível superior, está distante da realidade”, conta o professor de redação, Daniel Souza.

A concurseira, Renata Carvalho, conta que já teve muitos problemas e não sabia como ir bem na redação. Entretanto, com muito treino e dedicação aprendeu como fazer redação para concurso público de forma simples. “Depois de tirar notas boas na parte objetiva e não conseguir atingir a pontuação exigida na redação, decidi fazer um curso preparatório e treinar bastante. A partir daí, as notas começaram a melhorar”, conta a estudante.

Há mais de dez anos corrigindo redação de concurseiros, Daniel afirma que a maior dificuldade enfrentada pelo aluno não é relacionada à gramática ou ao tema a ser desenvolvido.

“O que se pode notar é que não é o desconhecimento do tema ou o erro gramatical que reprovam e sim a falta de boa estruturação dissertativa aos textos e o desconhecimento dos critérios de correção aplicados. Os candidatos aplicam as noções que possuem  de redação de vestibular e as orientações que receberam de seus professores na preparação para aquele tipo de prova, e os concursos cobram outras qualidades textuais e outras habilidades discursivas dos candidatos, por isso eles são prejudicados”, relata o professor.

8. Dicas para uma boa preparação

Para aprender como ir bem na redação, não basta apenas o aluno ler jornais e assistir a noticiários. Ainda de acordo com o professor Daniel Souza, nos últimos concursos, as bancas organizadoras exigem dos candidatos muito mais conhecimentos relacionados a temas específicos a determinado cargo do que assuntos ligados à atualidade.

“Ler, escrever, atualizar-se com as informações disponíveis em todas as mídias (rádio, TV jornal revista) é sempre válido como forma de ampliar vocabulário e desenvolver a escrita, porém os concursos não cobram  mais temas  atuais. Há cerca de 5 anos, os temas propostos eram assuntos da atualidade. Hoje poucos concursos cobram isso, e, a maioria, exigem conhecimento específico de tópicos do conteúdo ou da área de conhecimento especializado a que concorre o candidato, inclusive nos cargos em que a formação exigida é o nível médio ou técnico.” explica Daniel.

O professor continua, “Por isso, o candidato deve ter domínio das disciplinas indicadas nos editais e fazer cursos preparatórios para a prova discursiva com profissional especializado e experiente em concursos de nível superior e técnico, além de treinar a escrita (durante os cursos) submetido à avaliação com os critérios adotados nos concursos e não nos moldes dos vestibulares”.

9. Dicas para o dia da prova

O professor Daniel Souza sugere que, no dia da prova, os alunos não comecem a elaborar o texto no início da avaliação. “Sempre sugiro que os alunos façam a discursiva no momento que seria o meio da prova, após uma hora e meia de resolução das questões objetivas. Nunca fazer a redação no início (que é marcado por muitos avisos e interrupções por parte dos fiscais, para assinar ata, fazer a identificação das digitais por exemplo)”, Ressalta o profissional.

Daniel conclui, “Também nunca deixe para fazer a redação no final da prova, pois na limitação de tempo é mais rápido marcar gabarito do que ordenar o pensamento e por tudo no papel de forma clara, coesa e coerente. Portanto, após fazer parte da prova objetiva, o candidato deve interromper, fazer a discursiva e depois voltar a fazer a objetiva”.

Nesse texto você viu:

  • 10 dicas de como fazer uma redação para concurso;
  • Tema da redação
  • Não conheço o tema da redação
  • Regras gramaticais
  • Como ir bem na redação
  • Argumentação
  • Estrutura
  • Introdução
  • Desenvolvimento
  • Conclusão
  • Redação é o “calo” dos concurseiros

3 Comentários

  • sempre tive muita dificuldade na hora da prova discursiva mas com essas suas 10 dicas de como fazer redação para concurso público de forma simples eu espero resolver uma parte dos meus problemas

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Rolar para o topo